• 04/07/2020

    AÇÚCAR OU ADOÇANTE ?

    Afinal, qual é a diferença entre eles ?

    Quando se toma um suco ou um cafezinho, muita gente ainda titubeia na hora de escolher entre o açúcar (e seus diversos tipos) e o adoçante. Afinal, qual é a diferença entre eles?

    O açúcar que se consome como alimento é produzido comercialmente a partir da cana-de-açúcar ou beterraba (mais utilizado na Europa uma vez la, eles não possuem a cana de açúcar como aqui no Brasil) e atualmente tem se comercializado também a opção obtida a partir das flores da palma do coco. Essencialmente, ele é um carboidrato de rápida absorção, nutriente responsável por fornecer energia para o corpo.

    Já os adoçantes são produtos industrializados produzidos artificialmente a partir de diversos edulcorantes que são substancias, em sua grande maioria, sintéticas (apenas stevia e frutose são edulcorantes naturais). A indicação do uso de adoçantes é realizada para pacientes com patologias que restringem ou proíbem o consumo de açúcar como hipertrigliceridemia  (aumento de triglicerídeos) e diabetes, respecetivamente. Apesar disso, atualmente verificamos um elevado consumo de adoçantes e produtos diets pela população que não apresenta as patologias citadas acima. A maioria, pensando em emagrecimento e manutenção de peso.

    Sabe-se hoje que o uso constante de adoçantes, em quantidades elevadas, pode funcionar como um agravante para diversas doenças. Os adoçantes artificiais, como o próprio nome diz, foram criados em laboratório. Dessa forma, nosso organismo não foi projetado para “decifrá-los” ou metabolizá-los, fazendo com que essas substâncias se acumulem em nossas células e promovam inflamações constantes. Em contrapartida, sabemos que o consumo excessivo de açúcar refinado está relacionado com hiperatividade, inflamações, acne, lipogênese (acúmulo de gordura corporal) e risco de desenvolvimento de diabetes mellitus.

    Por isso, vale a regra: não exagere. Aproveite o sabor natural dos alimentos e tente “desviciar” seu paladar do sabor “muito doce”. Além disso, prefira sempre consumir o açúcar na versão mais natural (iremos explicar abaixo a diferença dos tipos de açúcares). Caso seja diabético, não precisa se desesperar: como eu relatei no início do artigo existem 2 tipos de adoçantes: os naturais e os artificais. Procure, dessa forma, utilizar sempre os adoçantes à base de steviosídeo, em quantidade moderada, sempre preferindo o sabor natural dos alimentos.

     

    Entenda os diferentes tipos de açúcar

    As principais diferenças aparecem no gosto, na cor (que pode então alterar a cor final da preparação) e na composição nutricional de cada tipo. A regra básica é a seguinte: quanto mais escuro é o açúcar, mais natural, com mais vitaminas e sais minerais ele tem, e mais perto do estado bruto ele está. A cor branca significa que o açúcar recebeu aditivos químicos no último processo da fabricação, o refinamento.

     

    – Orgânico

    É diferente de todos os outros tipos pois não utiliza ingredientes artificiais em nenhuma etapa do ciclo de produção, do plantio à industrialização. O açúcar orgânico é mais caro, mais grosso e mais escuro que o refinado, mas tem o mesmo poder do adoçante;

    – Light

    Surge da combinação do açúcar refinado com adoçantes artificiais, como o aspartame, o ciclamato e a sacarina, que quadruplicam o poder de adoçar (porem, como falado acima, são substancias artificiais);

    – Refinado

    Também conhecido como açúcar branco, é o açúcar mais comum nos supermercados. No refinamento, aditivos químicos como o enxofre tornam o produto branco e delicioso. O lado ruim é que esse processo retira vitaminas e sais mineiras, deixando apenas as “calorias vazias” (sem nutrientes);

    – Demerara

    Ele passa por um refinamento leve e não recebe nenhum aditivo químico. Por isso, seus grãos são marrom-claros e têm valores nutricionais altos, parecidos com os do açúcar mascavo;

    – Mascavo

    É o açúcar bruto, escuro e úmido, extraído depois do cozimento do caldo de cana. Como o açúcar mascavo não passa pela etapa de refinamento, ele conserva a grande maioria dos nutrientes. Seu gosto é bem parecido com o do caldo de cana, o que pode desagradar a algumas pessoas além de poder alterar um pouco a coloração das preparações;

    – Açúcar de coco

    Este açúcar é feito do extrato das flores da palma de coco, e não é processado. Tornou-se popular por ter baixo índice glicêmico (o que significa que é um açúcar que chega lentamente para a corrente sanguínea, evitando picos)